A minha terra se chamou um dia,
Pelo bonito nome de Lorena,
Terra saudosa que chamar-se-ia
Aricanduva que com amor me acena.

Amor... Amor... Amor...
A esta terra que me viu nascer,
Aricanduva ou Lorena
A terra amiga a terra amena
Onde eu nasci, onde eu cresci, onde eu vivi
E onde eu quero morrer.

O São Lourenço vem beijar-lhe os pés
A Paca o rosto lhe lavou beijando
Depois se abraçam e enrolar talvez
O amor da terra que se vão levando.

Da uberdade do seu solo vem
Aos seus celeiros sua subsistência
Ao rico ao pobre decantar convém
A Terra-Mater que lhes deu vivência.

É pequenina como Nazaré
Que deu ao mundo o grande Salvador
Em terras assim os outros não têm fé.
Mas nós lhe damos todo o nosso amor.

Do livramento a virgem na Capela
É padroeira dos destinos seus
Aqui a gente só chamou por ela
Desde o nascer à volta para Deus.

Amor... Amor... Amor...
A esta terra que me viu nascer,
Aricanduva ou Lorena
A terra amiga a terra amena
Onde eu nasci, onde eu cresci, onde eu vivi
E onde eu quero morrer.